30.1.06

Nirvana (3)

Na enxurrada de comentários, apareceu agora uma Joana que sentenciou o seguinte:

"Vamos generalizar? E não é que o senhor Professor Doutor, com apenas 37 anos de idade, é licenciado em Direito, numa privada, mas só com 14 valores? O que é que andou a fazer durante o curso? Certamente não perdeu tempo com actividades extra-curriculares ou até académicas, por isso não se compreende como não se dedicou mais ao estudo para apresentar uma média de relevo! Para além disso, é docente na Universidade Fernando Pessoa, uma escola bem conhecida pela sua (suposta!) categoria... Só lá entram alunos com médias brilhantes e os professores são sujeitos a uma selecção muito rigorosa! Por que não lecciona numa Universidade Pública, senhor Professor?"

O Google é fantástico. A incisiva menina foi à minha (desactualizada) página para a perseguição ad hominem. Mas se tivesse visto o post anterior, teria reparado que o curriculum vitae, lá colocado na webpage, é um embuste.

Interpretação alternativa: é pena que a falta de inteligência não pague imposto.

9 comentários:

Anónimo disse...

Exmª Senhor Doutor;

Não considero que colocar em causa a sua verticalidade e mérito profissional e académico seja correcto e não me revejo no ataque pessoa pelo ataque pessoal; No entanto, precisamente por isso, não percebo nem concebo tamanho ataque desmesurado - embora livre opinativamente, certamente - a algo que de todo o Sr. Porf. Dr. mostra desconhecer, como aliás, assume, à falta de contraditório claro e pelo que escreveu sobre a mesma matéria. Quanto ao resto, não estou certamente à espera nem que o Sr. Prof. Doutor ou alguém passe a gostar de um momento para o outro, do que são Tunas e sua História secular, muito menos até que se dedique a uma tese de Doutoramento sobre a mesma matéria (que já foi alvo até de tal desiderato, diga-se). Que não goste, entendo. Que critique e enxovalhe sem conhecimento de causa é que já não me parece correcto.

Atenciosamente

Carter disse...

Mas alguém fora do circulo restrito universitário dá alguma importância às tunas?Que importância têm afinal as tunas?
Nenhuma.
A expansão do fenómeno tuneiro, faz parte da expansão da pseudo "sub cultura" universitária por todas as Universidades e Institutos do país.
Culturalmente,o valor das tunas é zero;não é por acaso que actuam nas primeiras partes dos Emanueis e dos tipos de bigode que tocam acordeão.
Puro divertimento.
Bebem umas cervejas,tocam uns acordes,ensaiam uns gritos e gastam as mesadas dos papás( regra geral)
Se tivessem de trabalhar para ajudar a pagar os estudos,não teriam a disponibilidade nem a paciência para tão nobre actividade.
Dolorosamente já assisti a um festival de tunas na aula magna (o que um homem tem de sofrer) e partilhei os bastidores por interesses insuspeitos ( grandes doidas as tuneiras)
Tenham dó meninos e meninas,o país precisa de vocês.
ah,e existe um mundo para além das universidades......o mundo.......sem tunas.

Anónimo disse...

Sr. Carter:

Disse e cito-o "Dolorosamente já assisti a um festival de tunas na aula magna (o que um homem tem de sofrer) e partilhei os bastidores por interesses insuspeitos (grandes doidas as tuneiras)" [fim de citação]

Afinal a sua coerência é de louvar, sem alguma dúvida; 1º é uma dor assistir a uma - e cito um famoso catedrático nacional - convenção masturbatória colectiva (entenda-se festival) mas depois já acha graça aos bastidores onde as "tuneiras doidas" respaldam - supostamente - o seu "insuspeito" interesse, claro! Há uns que são insuspeitos e outros sempre suspeitos. Faz-me lembrar outros tempos e outras histórias - que hoje também há, infelizmente - como o Ballet Rose, onde todos os altos dignatários eram "insuspeitos" também.
Lá está, eu, pessoalmente, o único Carter que conheço que de facto era insuspeito foi o Jimmy Carter, peço desculpa pela franqueza: Se não gosta de tunas, então vai vê-las porquê? Ou vai antes aos bastidores de forma, obviamente, insuspeita, claro?

Sem acritude

Anónimo disse...

Quem pagou os seus estudos??
É que eu (académico-veterano e tuno-veterano) trabalhei para pagar os meus!!! E como eu muitos que conheço!!

Anónimo disse...

"Interpretação alternativa: é pena que a falta de inteligência não pague imposto."

Senhor doutor da mula russa.
Há por aí muita gente a fugir aos impostos, alegando que até nem se importava de pagar se estivesse nessas condições.

Interpretação mais que alternativa: é pena que a falta de imposto não pague inteligência.

Anónimo disse...

Gostava de enaltecer a postura, palavras e conteúdo do artigo do Senhor Doutor sobre as tunas. Graças a ele, conseguiu animar esta pré-época onde não há eventos tunantes não porque o Sr. Dr. não deixe ou deseje, mas sim porque época de exames e frequências. Assim, prestou vários serviços de relevância às Tunas: Muitos leram o artigo, muitos opinaram sobre o mesmo, muitos passaram a escrever sobre tunas e desconfio que alguns passaram a medir mais as figurinhas que vão fazendo. No meiod e tudo isto, como se não bastasse, publicidade gratuita e à custa de um Sr.Prof. Doutor. Mais é dificil, vamos convir. Como cereja em cima do bolo, animou as hostes tunates nacionais, com variedades várias qual Cardinali, o que dá sempre para desanuviar um pouco do estudo. Em resumo, uma excelente proposta de comédia para o Inverno de 2006, que pessoalmente, aconselho para gaúdio futuro da populaça estudantil tunante, com particular destaque para o extra de série "eu é que inventei o termo Tuno", este sim, só disponível nos melhores concessionários da marca!

Joana disse...

É mesmo pena, senhor Professor Doutor! As suas aulas falam por si (sim, fui sua aluna!)... Antes fosse assim... Pagasse imposto a falta de inteligência! Com o seu contributo fiscal para o Estado, não teria eu que frequentar uma Faculdade privada para me licenciar!!!

Pena disse...

Ó senhor carter,

Faça lá um favor à malta e explique o seu conceito de cultura!
Diga-nos o que já fez por ela, já agora!

Pelos visto, só o senhor e alguns "iluminatti"´é que são os entendidos na matéria, guardiões da mesma e tudo o resto é populismo ou "sub-cultura".

Mais do que verborreia demagógica, mostre A+B o que é cultura e prove, já agora, que o fenómeno tunante o não é.

Pena disse...

Então, senhor carter, senhor Paulo, continuo á espera que me esclareçam o conceito de cultura e o que é, ou não cultura.
Continuo ávido de saber, de me ser irrefutavelmente provado que tunas não são cultura e que objectivamente apontem o que o é!
Tenham a veleidade e a capacidade de apresentar os argumentos daquilo que apregoam!