2.12.11

Memória futura


In http://images1.makefive.com/images/experiences/school/best-things-to-do-when-procrastinating/writing-a-list-and-not-doing-anything-on-it-7.jpg
Faz das memórias o espelho retrovisor com o feixe virado para os dias nascentes. Colhe as pétalas aciduladas pela amargura e deixa-as secar ao tímido sol invernal. Pela alvorada, sente o paladar das pétalas que enfraquecem vagarosamente. O estio sofrível retarda o processo. Ferve a caução para as demoradas terapias que são sempre arrastadas no tempo.
Mas, pela alvorada, podes desviar o olhar e adiar o paladar guloso que não consegue resistir ao vício das pétalas em sua secagem. Podes apreciar as cores da manhã, os olhares vivaços das crianças enquanto entram nas escolas, ou dos pais que não escondem o desvanecimento por o serem. Podes decantar os aromas que se desprendem das árvores tingidas pelo orvalho. Podes subir a um promontório e deixa-te embeber na quimera do sol que rompe entre os últimos vestígios da noite. Ou podes apenas meter os pés ao caminho e amanhecer no areal humedecido enquanto gaivotas madrugadoras rondam a espuma do mar à cata de peixe distraído. Podes olhar para as luzes noturnas que desmaiam à medida que a madrugada destrona a noite. E podes entrar no primeiro café que houver aberto as portas a tão matinal hora só para ouvires a tua voz enquanto pedes o café ao estremunhado moço atrás do balcão.
Os leques de flores são um amplexo de transgressões. Heterogéneos, por mais que os bouquets tenham as cores da harmonia. Há flores que destoam. Só reparas nelas quando os olhos descem às moléculas de cada flor, distinguindo as que desafinam por altercada cor ou desbotada fibra. Atribuis importância às flores que vão a caminho do apodrecimento? Renegas a ordem sobrante que é nutriente para os olhos porque estes teimam em deter-se nas que divergem do ramalhete?
Neste recado para memória futura, retém a lição aprendida com o custo do algum sangue derramado: os limites são os da lucidez. Consagra o que se sobrepõe às miudezas que atrapalham os sentidos. Foge dessa antidemocrática espessura de adestrar os sentidos.

1 comentário:

SM disse...

"Ou podes apenas meter os pés ao caminho e amanhecer no areal humedecido enquanto gaivotas madrugadoras rondam a espuma do mar à cata de peixe distraído..."
Quando crescer quero ser assim..