1.5.12

Ali ao lado passam desenhos animados


In http://3.bp.blogspot.com/-HcE9H7LDdno/TwbLgVBVQDI/AAAAAAAAATU/LRPgF2udwIg/s1600/Desenhos-Animados6.jpg
Espreito. Os olhos divididos pela algazarra colorida dos desenhos animados e a excitação dos meninos, e o livro que já cansava os olhos. E não sei se me detenha nas personagens garridas dos desenhos animados, se no embevecimento dos meninos. Ensaiam espasmos quando o herói salta no vazio, e enquanto não confirmam que o herói não se estropiou. Talvez não lhes tenham ainda ensinado, ou sejam ainda imberbes para a empreitada, que não acontece as histórias reais terem final consagrado pelo sorriso desarmante dos espetadores.
Uma menina, cansada pelo belicismo encapotado da animação que ocupava o ecrã, apoderou-se do comando. Foi dedilhando os canais infantis. Estacionou num desenho animado com bonecas e princesas e fofos animais de estimação. Os rapazes não esconderam um esgar de reprovação. Só dois, ainda sem tirocínio para o datado cavalheirismo que aprenderão com o Prof. Espada, vociferaram o desprazer. Os cavalinhos faladores que acompanham as princesas e as meninas boas (tira-se-lhes a pinta da bondade à distância) são ansiolíticos para as já notórias hormonas que reclamam adrenalina.
Um deles, mais boçal a brutamontes, tirou à força o comando do regaço onde a menina o tinha escondido. Com dois safanões e um arranhão no rosto, marcado a carmim avivado. A menina esboçou um choro. Tornou-se convulsivo. Os rapazes, triunfais, desdenharam. E só três meninas foram junto da chorosa para limpar as lágrimas. Uma delas protestou contra a ferocidade dos varões. Riram ainda mais, atiraram pilhérias que seriam acusação de bullying de género por feministas com especialidade em pedagogia (um mal não vem só).
Desenhos animados e dissidência de sexos. As animações com profusão de armas e explosões e corpos em decesso prendiam a atenção dos rapazes, estorvando as meninas. Não admira que o imaginário popular perdure na intemporalidade das gerações. O dissenso de género, pela necedade de rapazes imersos na insensibilidade genética, é o travão das ambições feministas. É o raio da genética?

Sem comentários: