25.7.12

Saltos altos (elogio feminino)


In http://4.bp.blogspot.com/_XrToA9P493Y/TTmoDIBxpBI/AAAAAAAAAMc/NuWxmb053iI/s1600/Fanatismo-por-saltos-altos.jpg
Seria estultícia apoucá-las porque usam saltos altos e outros adereços que tais. Seria, ademais, do foro do politicamente incorreto. As feministas não tardariam a vociferar impropérios. Sobeja ainda outra factualidade: aos que gostam de mulheres (e nesta formula já se contempla flexibilidade democrática) caem bem esses adereços. Realçam a feminilidade. E se é de feminilidade que as hormonas e (vá lá, admita-se) o intelecto se enamoram, como podia alguém desdenhar dos adereços que emprestam uma graciosidade ímpar ao sexo feminino?
Há, contudo, umas impurezas que se metem pelo caminho. Nós, habituados a caminhar em sapatos rasos, terçamos a perplexidade só de imaginar como será montar em cima de tacões tão elevados. Ouvimos dizer a algumas resistentes (aquelas mulheres que não transitam no hábito do salto alto, sem, todavia, perderem a graciosidade própria do género feminino) que adestrar uns saltos altos bule com o equilíbrio. Suponho que estejam pouco habituadas a meter os pés nuns sapatos destes. Ele há por aí tanta donzela devidamente tirocinada na função sem lhes notarmos qualquer traço de desequilíbrio, que só se afere a recusa das resistentes por serem comodistas, ou por os gémeos não aguentarem a provação (física) dos saltos altos.
Dando de barato os depoimentos das resistentes ao salto alto, somos levados ao elogio do sexo feminino. O que elas passam para se aperaltarem, para não sentirem o enxovalho da estética. A crer nesses depoimentos, só uma dose polida de equilíbrio cauciona o uso de saltos altos. Como se pode então jurar que o homem é o sexo forte, se os varões não são adestrados para caminharem em cima de saltos altos?
Descontem-se as conclusões lapidares que levitam o cunho do tradicionalismo. Não interessa que os padrões da estética desviem o sexo masculino do salto alto como calçado da moda. A fuga masculina aos saltos altos é admitir que as mulheres nos levam a palma no que ao equilíbrio diz respeito. E não o proclamo para agradar à brigada de exaltadas feministas. É uma homenagem sentida (e desinteressada). Mesmo.

1 comentário:

Anónimo disse...

E bastante doloroso às vezes ...eu que o diga ;)