17.4.13

Os segredos, guardava-os a sereia


In http://3.bp.blogspot.com/-DZaLD4y8dBM/TjVpJzDN1AI/AAAAAAAAHm0/jX2ihwFnEzk/s1600/segredos-da-internet.jpg
Não recusava os encontros fortuitos quando desembarcava. Que um homem padece no golfo estreito das necessidades do corpo. Mas eram encontros fortuitos, noites mal dormidas abandonadas nos lençóis desarrumados de um quarto de hotel incógnito – como incógnita era a companhia casual arranjada em bares nas ruas movimentadas das cidades onde aportava. Nunca quis que passassem de acidentais, como se fossem acasos que aconteceram e não estavam registados para voltar a acontecer. Nunca as mulheres que o viram partir propuseram a possibilidade de repetição. Elas sabiam que ele era embarcadiço – e se calhar era isso que procuravam, encontros que não passavam do singular sabendo que o marinheiro depressa iria em demanda de outros portos, de outros corpos.
Daquela vez foi diferente. Numa escala de três dias numa cidade nórdica, estava o inverno severo, um encontro fortuito tropeçou na pluralidade. Numa ida a bordo, pediu ao comandante uma semana de férias que sobrava do ano anterior. Perguntou onde era a próxima escala do navio e prometeu apanhar um avião para embarcar na data em que o navio levantasse âncora desse porto. Não demorou a deitar-se nos braços da sereia nórdica. O mar e as artes de que era curador a bordo do navio deixavam cicatrizes no falar, até no pensar. Ela não se incomodava quando ele a chamava sereia. Achava poético. Durante aqueles dias, só saíam de casa para recrutar mantimentos. Demoravam-se o tempo apenas necessário, que o frio era glaciar e mal se podia andar na rua.
Na véspera da abalada, ela pediu-lhe que ficasse. O marinheiro ficou inerte, o olhar pregado ao candeeiro que descia do teto. Sem palavras. Debateu-se em seus pensamentos. Ela percebeu. Percebeu que ele não era homem para deixar raízes num sítio. Não tinham falado da sede de emigração nómada que o levara a partir de casa. Mas sentiu, por entre as palavras ditas, que era disso que se tratava. Aninhou-se no peito ainda suado dele. Ele acariciou os longos cabelos ruivos da sereia. Sabia que a sereia tinha sido depositária de tantos segredos. Nunca julgara poder contar tantos segredos a quem quer que fosse num tempo tão pouco. Adormeceram entrelaçados.
A manhã seguinte era quando tinha de fazer as malas para apanhar o avião. Tomaram o pequeno-almoço em silêncio. Foram até ao aeroporto em silêncio. Apenas trocaram olhares, sinal de uma combustão que tinha de ser acalmada. Na porta de embarque, não sabiam se alguma vez se voltariam a ver. A sereia beijou-o, ternurentamente, e disse-lhe: “eu sei, marinheiro, que não és homem de lançar âncora.” E ele, com um olhar subitamente marejado, gaguejou: “Pois não. Lamento. Mas não te esqueças, sereia, dos segredos que te contei. Do que eles contêm. E do que eles significam.
A sereia ficou sem saber se aquelas palavras eram uma promessa de regresso.

Sem comentários: