5.7.13

Anatomia de uma crise política (ou a dita cuja explicada às criancinhas)


In http://1.bp.blogspot.com/-n2tpWdlqPFY/T5rgHvBhMQI/AAAAAAAAMvY/rDtvWZM9p0k/s1600/Xadrez+3dfoto3d.blogspot.com+(12).jpg
Queridas crianças: devem andar assarapantadas por estes dias. Os vossos pais só falam da crise – e dizem que agora a crise é política, que deixou de ser apenas a economia a morder os calcanhares das famílias. Ouvem os vossos pais, enquanto amesendam diante do telejornal, a chamar nomes feios aos senhores do governo que se zangaram um com o outro. Aposto que alguns de vocês, aqueles que já se entediam com a copiosidade de ferramentas lúdicas, ouviram pela primeira vez as vozes graves de jornalistas engravatados e de uns senhores, a quem chamam “analistas” (também engravatados), a distribuírem pragas pelos que mandam na vossa terra.
Podiam estar entretidos com os momentos lúdicos que a tecnologia tornou abastados. Agora que vos mete espécie a ira dos vossos pais e o tom moralista dos “analistas” e dos jornalistas – “a coisa deve estar séria”, pensam com os vossos ainda pequenos botões – é devida uma explicação. E já que tanto gostam de jogos, a explicação começa com um jogo que ainda são novos para jogar: o xadrez. As peças do xadrez dispõem-se no tabuleiro. Em cada equipa, as peças mais importante são o rei e a rainha. Um matrimónio. Já devem ter aprendido (por mote próprio, aí em casa; ou pela experiência documentada pelos colegas da escola), que às vezes os matrimónios batem no fundo. Os consortes desentendem-se. Por razões importantes ou por coisas sem significado. Às vezes há casamentos por conveniência. Ou casamentos que acabam por se tornar, com o tempo e com a chama que se apaga, casamentos de conveniência. O rei e a rainha continuam a coabitar a mesma casa, mas dormem em quartos diferentes. Mal se falam. São casamentos por um fio.
À frente do rei e da rainha aparecem os peões. (Somos todos nós, os governados e que pagamos os impostos sem contraditório.) Os reis não hesitam em sacrificar uns peões para manter estatuto. Às vezes, as crises matrimoniais que viram o rei contra a rainha (ou vice versa) são jogos feios de que prefiro não vos explicar as regras e os comportamentos. São jogos de poder. Nos equilíbrios e contra equilíbrios desses jogos, os peões são as vítimas preferidas. Já deitados pela debulhadora dos sacrifícios, são atropelados pelas táticas soezes do rei e da rainha entretidos na crise conjugal.
Do outro lado do tabuleiro estão as peças da outra equipa. Com a mesma disposição de peças no tabuleiro. Ansiosos por meter a mão no poder, o rei e a rainha respetivos. Proclamam-se os legítimos defensores dos peões indefesos. Prometem jogadas que amparem os peões que foram atirados para a penúria. São ilusionistas, este rei e esta rainha. Mentirosos antes do tempo, prometem muitas promessas. Encantatórias. Seduzem os peões à sua frente, que depressa se desfazem em respeitosas genuflexões. Os reis à espera de trono estão a atirar, para memória futura, os peões aos leões. A diferença é nenhuma.
Um dia destes, lá na escola, quando vos requisitarem num daqueles momentos de criatividade que é modismo das vanguardas pedagógicas, proponham a reinvenção do xadrez. Proponham que o rei e a rainha, mais os figurões que os ladeiam (os bispos, os cavalos e as torres), avancem para a primeira fila e deixem na retaguarda, protegidos como devia ser, os peões. Teria outra vantagem: aquelas manifestações de rua com duzentos descontentes a exigirem, em nome de todos os peões (desconhecendo-se que tenham sido mandatados), que a realeza seja decapitada, essas manifestações passavam a fazer parte da arqueologia (política). Sempre era menos folclore a poluir o ambiente.
E vocês, queridas crianças, seriam uma lição para os doidivanas mais velhos.

Sem comentários: