18.4.12

Fui ao futuro e não gostei do que vi


In http://2.bp.blogspot.com/_p-oE7DPyaXc/TCSd-yykpZI/AAAAAAAAD1E/OptFVlKnTgs/s400/futuro_passado_presente1_.jpg
Numa cápsula do tempo. Com capacete a preceito, que a viagem se prometia turbulenta entre as nuvens espessas por diante. Amarraram-me à cadeira. Fiquei sem perceber se era para não fugir do tempo vindouro que ia visitar, para não dele fugir antes do tempo. Depois percebi. A viagem foi medonha. Diante dos olhos passava, em velocidade supersónica, o calendário inteiro que separava do tempo em que aterrei. A força de gravidade, não a consigo descrever. Ainda hoje os ossos e os músculos andam à procura do lugar em que estavam.
Quando lá cheguei era tudo asséptico. Não havia poluição. As pessoas vestiam todas de igual. Umas fardas incolores, os mesmos penteados – até as cores dos cabelos eram constantes. As pessoas sorriam, um plástico sorriso. Comportavam-se como autómatos. Estranhei a ausência de polícia. Perguntei a uns quantos pelos agentes da autoridade (já, por artes de magia, envergando traje e penteado uniformes). Olharam-me, incrédulos. Um deles perguntou, com algum desdém à mistura, de que planeta tinha vindo. Outro, mais velho e embebido em paciência, jogou em cima de mim a presciência que procurara: “já não há polícias há setenta anos. Desde que andamos com chip interior, foram extintas.”
Todos garantiam: aquilo era o paraíso. Concórdia em modo celestial. Ninguém se atrevia a dissidir. Ou a praticar o mal. Já nem sequer havia tribunais. A gente com o livre arbítrio comandado pelo chip, por sua vez comandado numa insondável central por gente que ninguém conhecia, não ousava pisar o risco. A ilegalidade era conceito datado. Perante a oferta de harmonia, a turba aceitava a acefalia. Com custos: a criatividade tinha sido castrada, as artes ressentiram-se na produção e na qualidade. Pouca gente se interessava por artes e pela ciência – a não ser os do escol, selecionados entre os melhores, para congeminarem sábios e infalíveis programas informáticos que tudo passavam a pente fino, sem deixarem vivalma incólume à lupa perscrutadora.
Tudo era perfeito. Demais. Tão perfeito que mais parecia um pesadelo grotesco, as cores claras e os sorrisos plásticos denunciando rostos macilentos que se forjavam naqueles sorrisos falazes. Quando aterrei vindo do tempo futuro e distante, reparei que o pessimismo antropológico que nos consome neste tempo vivente é um exagero.

4 comentários:

SM disse...

Hehe..Felino roks ;)

PVM disse...

Right on! ;)

Anónimo disse...

Eh pá!
Esqueceste-te de perguntar pelo campeonato nacional de futebol! O Sporting devia ser campeão há 70 anos... (aquilo é só honestidade...)
Ponte Vasco da Gama

PVM disse...

Tu andas obcecado por futebol, PVG...