12.4.12

Last but not the least


In http://1.bp.blogspot.com/-YMoUPJqCxxw/T0PhxeXeghI/AAAAAAAAAgg/tZsixhPJkzw/s1600/cropped-7075bussola.jpg
Da orientação, como se impõe. Para que se perdem os dias a azougar partidas do tempo pretérito? Para que se desgastam páginas com a tinta apodrecida dos ressentimentos? Ele há serventia nas agonias imperfeitas, as agonias a que não se encontra peugada que não seja a embolia dos sentidos que se irracionalizam nos labirintos opacos?
Podem azimutes a reluzir como novos conter a prescrição. Eles, tão neófitos, troam uns raios, os faróis que pressagiam o santuário da lucidez. Mas o que é a lucidez? Uns lampejos de sensatez são apenas isso, lampejos, por dentro talvez a vacuidade inteira. A lucidez não pode ousar a sua absoluta dimensão. Ela encerra, por mais que os cultores o não queiram, a sua negação. E se em vez de imperativos categóricos os olhos sondassem a matéria viva que fornece claridade? Sem importar que a matéria viva fosse embolsada nos lugarejos recônditos que se pensaria serem o ninho da antítese da lucidez. Sitiados, os sentidos apoquentam-se na ebulição que os sequestra.
São interrogações a mais. As próprias interrogações esgotam-se na sua nulidade. Uma interrogação supõe a demanda por respostas. Assim que surge uma resposta, ou outra sua alternativa se esboça, as interrogações que lhes deram origem dissolvem-se em poeira, insignificante poeira. Eterna insatisfação: o ter-se, enfim, algo entre mãos. E tê-las vazias outra vez. O objeto possuído é apenas uma miragem. Consome-se assim que repousa no regaço das mãos. O vapor do efémero é o travo azedo que estala na boca decepcionada.
Nada disso interessa. Os olhos vorazes, cúmplices da corajosa busca do conhecimento, não cessam de hipotecar prioridades. Acabam por nunca saber o que deve vir primeiro e o que fica para as vésperas de um amanhã qualquer. No rescaldo dos atos perdura o desassossego. A bitola das prioridades anda desafinada. Só não sabemos se é capitulação.

Sem comentários: