26.7.13

Deixa-os ser


In http://2.bp.blogspot.com/_I5MAxQn8_JQ/TURdRcc7ocI/AAAAAAAAA24/ZZAHFHgKHnc/s1600/Algema_671997708.jpg
Deixa-os ser o que quiserem. Deixa-os beber o vinho que houver, eles que sabem o sabor da embriaguez e a dor que engrossa com a turbulência da ressaca. Deixa-os emulsionar os sentidos, aplaudir as dissidências, oferecer a si mesmos um bálsamo de fortuna. Deixa-os ser como querem.

Deixa-os medrar na indigência, se acaso a indigência for sua escolha. Deixa-os adornar as esquinas da erudição rançosa e, benevolente, dedica-lhes ovações para se convencerem que a erudição é condição superior. Deixa-os usar os andrajos que vierem à mão, os cabelos sem penteado ou à míngua de lavagem, ou os cabelos mimoseados por penteados barrocos. Deixa-os praticar o linguajar que se desembaraça dos cânones. Deixa-os entretidos com a alucinação que lhes traz préstimo. Deixa-os, aos outros, na sua apessoada condição como se o verniz fosse tudo o que conta. Deixa-os tesos com a convivência social, nos passos furtivos de um faz de conta que se substitui ao acontecido.

Deixa-os consumir substâncias perseguidas por um legislador puerilmente sectário. Deixa-os ser socialistas, fascistas, comunistas, conservadores, ou o que for da sua aprazível preferência. Deixa-os ser bons garfos, engordar para fora do corpo, encharcarem-se de colesterol, ficarem no limiar da apoplexia. Deixa-os ser pródigos no casino, que os proveitos que houver transitam no seu bem-estar e as perdas (por mais que sejam) não interessam a mais ninguém. Deixa-os discordantes da condição politicamente correta, sem eira nem beira e sem que essa orfandade seja ardil de censura. Deixa-os entregues à abstinência, ou à promiscuidade, ou ao que quiserem, que não é teu ofício espreitar entre os lençóis que não são teus.

Deixa-os cultivar o que julgares ser inestético, pois os padrões da estética encerram-se no eu que os define. Deixa-os julgar os que passam, deixa-os fecundar a chacota, deixa-os arrepiar a fina ironia, que um dia talvez saibam que o veneno que dão a provar sobre eles se abate. Deixa-os ser curadores da beatificada moral que se estende como devir indeclinável.

Deixa-os. Não os importunes. Se muito te custar fazer-lhes a vontade, simula concordância. Deixa-os felizes. Talvez te deixem esquecido no esquecimento que és para eles. E assim te devolvam a serenidade que nos outros te é deslegitimada.

1 comentário:

20689 disse...

(...) Afinal, pedirei perdão por me ter alimentado de mentiras. Prossigamos.(...)
in: "Uma Temporada no Inferno", Arthur Rimbaud