23.4.13

Menina-morango


In http://3.bp.blogspot.com/-uX1rw1B2ZAo/TxrcRfnNtDI/AAAAAAAAAOw/QApAAuox3qY/s1600/digitalizar0002.jpg
A menina-morango tomava todas as manhãs o 15-A. Sentava-se sempre no mesmo lugar, três fileiras atrás do maquinista, do lado direito da carruagem. Era conhecida pela menina-morango devido à propensão para envergar vestidos de um encarnado vivaz que a punham em modos morangais, como se fosse um pequeno morango do bosque acabado de colher. Irradiava frescura, mas tinha um rosto triste e fechado. Os olhos pareciam ter acabado de marejar nas lágrimas de uma melancolia perdida na impureza das nuvens.
A menina-morango não fora vista a meter conversa com ninguém em todos aqueles anos de rotina no 15-A. Um dia, o maquinista mais jovial deixou o atrevimento falar em voz alta. Ia o elétrico com pouca clientela, e toda ela se tinha arrastado até à parte traseira: não havia melhor oportunidade. O maquinista não tinha segundas intenções, que a menina podia já estar entrada nos vinte e poucos anos mas conservava uma juvenilidade pré-adolescente. Consumia-se, como muitos habituais passageiros se consumiam, com o silêncio perturbador da menina-morango. A interpelação foi um vão. A menina nem desviou o olhar, perdido num qualquer horizonte desconhecido que só ela sabia apascentar.
Um dia, da menina-morango desprendeu-se uma sibilina lágrima. Uma velhinha perguntou se a disposição era má, se havia carência de ajuda. A menina só respondeu quando a velhinha, já em modos mais rudes, tocou no seu ombro e repetiu a pergunta com voz afinada para a estridência. A menina assustou-se e reprimiu a lágrima com o dorso da mão. A menina-morango era surda e muda. Respondeu com sons lúgubres envolvidos em copiosa linguagem gestual (para a velhinha retesar os maus fígados). Desde esse dia, os habituais passageiros olhavam com comiseração para a menina-morango. A motriz da pena já não era a melancolia que enfeitava o rosto, ainda assim fino e singularmente belo.
A menina notou a mudança. No dia seguinte, deixou em casa os tons garridos da indumentária. Meteu-se numa comprida vitualha negra, pintou os lábios e os olhos e as unhas com cores enegrecidas e bolçou um sorriso à starlette de televisão (orelha a orelha, tão expansivo como artificial). Nesse dia, não desceu do elétrico na paragem habitual. Foi até ao fim da linha. Despediu-se do maquinista quando este se preparava para sair e inverter a direção da carruagem.
A menina-morango já não tinha o 15-A como seu elétrico. Mudou-se, na sua rotina sem desvios, para outra linha, mais airosa e ribeirinha, que era menos frequentada até em hora de ponta. 

Sem comentários: