30.5.12

O que importa


In http://1.bp.blogspot.com/-YMoUPJqCxxw/T0PhxeXeghI/AAAAAAAAAgg/tZsixhPJkzw/s1600/cropped-7075bussola.jpg
Os olhos, desatentos, demoram-se no restolho de onde colhem o bolor da existência. Dir-se-ia, os olhos conferem à existência a sua própria miopia. E desta miopia vêm, diáfanos, os dias que se mitigam na sua monotonia. Os olhos deviam apenas consagrar os sedimentos do que apimenta um orgulho.
Porque não são as dores que fornecem nutriente. Dessas, resgata-se a indiferença, como se elas apenas adestrassem a covardia que recusa a existência que se merece só por termos a dádiva de uns olhos observadores. Devem recusar as anestesias, que o tudo que conseguem é aldrabar outras dores que se esmagam contra o peito em ferida. Não há mercê de as negar. Os sobressaltos que traduzem os dias plúmbeos não são uma totalidade. O segredo é transformá-los em pequenos atóis, acantonados a uma coutada inacessível ao pensamento. Porque, entretanto, os tão observadores olhos souberam reluzir com as pequenas coisas belas transformadas em largos continentes.
A terra onde tantos oxalás se proferem não passa de uma promessa de que não se cuida realização. Oxalás que são intenções entoadas em forma de prece. Esgotam-se na inércia que se compõe logo a seguir. Tudo se faz de conta, até o sono intuído em voo plácido que consome a noite. Quando tudo assim acontece, é a capitulação. A fatal capitulação. O porvir será um simulacro.
Há um método imperativo (para os que não querem sucumbir à letargia letal): esquadrinhar entre as pedras, remover as poeiras desatentas, olhar entre as sombras do luar, decantar as palavras de um poema, dissecar as entranhas de uma música ou de um quadro, demorar o olhar na imberbe inocência das crianças azoadas em plena brincadeira, deter os olhos na coreografia do mar, ou subir ao promontório e sorver, à forca dos plenos pulmões, todo o ar fresco sussurrado pelas montanhas.
O dia seguinte será uma alvorada coberta de ouro e pétalas perfumadas.

Sem comentários: